Atente ao seu privilégio

[Texto traduzido (e adaptado em diversos pontos) de Checking Your Privilege 101.]

Sob constante atualização e revisão!
Este textos e os links provenientes de cada tópico se propõem a iniciar a discussão sobre privilégio, mas não são infalíveis e nem resumem toda a extensão do assunto.
Colaborações de links, críticas, comentários ou quaisquer contribuições são bem vindas!

O que é privilégio?
Privilégio é qualquer direito, imunidade ou benefício desfrutado por apenas uma pessoa ou um grupo para além das vantagens da maioria. Nós pensamos em privilégio como uma vantagem imerecida que um grupo dominante tem sobre os grupos marginalizados. Por exemplo, considerando que as pessoas transgêneras não estão inclusas no grupo dominante, pessoas não-transgêneras [ou seja, cisgêneras] geralmente possuem diversos privilégios – direitos, benefícios, imunidades – que pessoas transgêneras não têm, incluindo direitos legais, aceitação social e compreensão, tratamento médico afirmativo de gênero, acesso a banheiros, apoio familiar, etc. Um aspecto chave do privilégio é que, dada a sua natureza imerecida, as pessoas que têm privilégio geralmente não percebem que o tem. Em outras palavras, estas pessoas não veem o acesso e a oportunidade que ser membro do grupo dominante as proporciona. É por isto que, como ativistas lutando pela libertação, é essencial que nós aprendamos como reconhecer nossos privilégios e atentar a como nossas vantagens imerecidas interferem no trabalho que nós fazemos.

Reconhecer os privilégios
Teu privilégio não é minha prisão
Breve ensaio sobre a noção de privilégio

Privilégio de Classe
O privilégio de ser uma pessoa criada com estabilidade financeira e acesso a redes de segurança financeira através da família ou outros meios. Privilégio de classe pode também ser aplicado a alguém que acumulou riquezas ao longo do tempo. Na nossa sociedade, o privilégio de classe geralmente dita “oportunidades”, “liberdade”, acesso a “direitos constitucionais” e o poder de influenciar sistemas políticos e a mídia. Na nossa experiência, o privilégio de classe tem sido um dos privilégios mais devastadores para a organização radical quando passado despercebido pelas pessoas que o têm.

Privilégio Racial
Acreditamos fortemente que o Brasil opera com um sistema de racismo institucionalizado. Ao contrário do preconceito, que pode incluir declaração racistas, ofensas, ou atos induzidos por desaprovação pessoal de membros de outras etnias, o racismo institucional é estruturado na nossa política, nosso sistema econômico, nossa geografia, nossos sistemas de educação, nossas instituições sociais, etc. Nós chamamos de racismo institucional a supremacia branca, onde a “norma” é ser branco e a sociedade é estruturada para privilegiar pessoas brancas.

Os privilégios em ser branca
“Mulheres” são brancas; “Mulheres negras” são negras.
Os privilégios de ser uma mulher branca

Privilégio Educacional
O privilégio de uma pessoa que teve acesso ao ensino avançado, que é algumas vezes, mas nem sempre, resultado de outros privilégios como racial ou de classe. Nós vemos o privilégio educacional não só como dispor de acesso a oportunidades de emprego, mas também como o uso da linguagem e da comunicação que é alienador e fundamentalmente enraizado nas instituições de ensino avançado, que muitas pessoas tem pouco ou nenhum acesso.

Privilégio de Gênero
O privilégio de ser uma pessoa que se parece e se identifica como masculina morando no Brasil, um país que tanto historicamente quanto atualmente atua conforme o patriarcado. Algumas mulheres podem pensar que o sexismo e a discriminação baseada no seu gênero não seja uma realidade constante. Reconhecemos a opressão internalizada e como ela funciona em um sistema mais amplo de opressões institucionalizadas. Em cada mulher que odiou seu corpo, esteve de dieta para emagrecer, experienciou violência sexual direcionada a gênero, ou simplesmente teve medo de andar sozinha na rua – persiste o patriarcado.

Privilégios, na ponta do seu nariz.

Privilégio de Identidade de Gênero
O privilégio de ter uma expressão de gênero que se correlaciona com as “normas” de expectativa gênero do grupo dominante. Isso significa ser uma pessoa que foi designada como homem ao nascer e se identifica como homem, ou uma pessoa designada como mulher ao nascer e se identifica como mulher. Privilégios incluem ter identificação que reflita o seu gênero, acesso a banheiros, liberdade de ser alvo da polícia por não-conformidade de gênero, cuidado médico que afirma o seu gênero, etc.

uma conquista para travestis!
Privilégios das pessoas que não são trans*

Privilégio de Idade
É o acesso garantido a pessoas que são consideradas “adultas” nos nossos sistemas e instituições e reciprocamente a desvantagem de serem consideradas “jovens.” Nós também percebemos que pessoas idosas são retiradas de participação significativa em muitos sistemas e instituições também devido a sua idade.

Privilégio de Tipo de Corpo
É o privilégio de nascer com um tipo de corpo que é celebrado e considerado “bonito” pelo grupo dominante e refletido pela mídia, comerciais, normas sociais, etc. Muitas vezes este corpo é magro para mulheres e musculoso para homens, além de refletir outras normas dominantes assim como ser branco ou não ter deficiências. Nós chamamos o medo que deriva deste privilégio de gordofobia.

Estudo mostra preconceito contra obesos no trabalho
Sobre gordofobia, irresponsabilidade e insegurança no feminismo
A Fat Rant (vídeo) Parte 1 Parte 3 

Privilégio de Pessoa Sem Deficiência (Able-Bodied)
Assim como outros privilégios, o privilégio de pessoa sem deficiência é a habilidade de participar fisicamente, mentalmente e afetivamente da sociedade porque a sociedade foi criada para acomodar apenas o grupo “dominante” – pessoas que são percebidas com corpos funcionais e não com diferentes capacidades. Isto efetivamente exclui as pessoas com diferentes capacidades e doenças físicas ou mentais da sociedade. Este privilégio invisibiliza e estigmatiza pessoas com deficiência, que  as ostraciza, envergonha e tira serviços
de apoio.

Capacitismo
Capacitismo 2

Privilégio de “Passabilidade”
O privilégio de “passar” como membro de um grupo mais privilegiado, como uma pessoa morena passando como branca, uma pessoa trans* passando como cis, uma pessoa deficiente passando como não-deficiente, etc. Enquanto passabilidade pode ser um objetivo para algumas pessoas devido aos privilégios que isto traz, pode muitas vezes ser uma desvantagem. Todas as pessoas trans* deveriam ter os mesmos direitos e privilégios independente de se elas são vistas ou não como transgêneras. Todas as pessoas com deficiências deveriam ter acesso independente de a sua deficiência ser ou não visível para uma pessoa não-deficiente. Nossas etnias não deveriam ser consideradas brancas exceto quando desta forma indicado.

Privilégio Religioso
Este é o privilégio de ser membro da religião dominante (no caso do Brasil – o cristianismo). Outras religiões foram, e ainda são, estigmatizadas, ostracizadas, e criminalizadas – notavelmente o Judaísmo, religiões Islâmicas, Budismo, e crenças e práticas indígenas ou de matriz africana.

Privilégio de Sexualidade
O privilégio de ser heterossexual e/ou de não ser rotulado como um depravado sexual. Tradicionalmente depravados sexuais costumam agregar pessoas não-hétero, pessoas que fazem sexo por prazer sem estarem casadas, pessoas que praticam o poliamor ou possuem mais de umx parceirx sexual ao mesmo tempo, fetichistas, etc.

Porque eu sou é homem 

Ações para atentar ao seu privilégio!
1) Reconheça que privilégio existe,
2) Afaste-se da culpa imobilizante,
3) Compreenda que o seu privilégio não deixa de existir enquanto o sistema raiz que te dá este privilégio não for abolido,
4) Seja aliadx de comunidades das quais você não faz parte,
5) Reconheça como e porque o seu privilégio pode destruir empoderamento de comunidades,
6) Use o seu privilégio para beneficiar grupos dos quais você não faz parte,
7) Eduque outros com o seu privilégio para atentarem a este, e
8) Alerte as pessoas e aceite ser alertado sobre privilégio.

 

Outras lista de privilégios (em inglês): List of privileges (permanently in progress)

Anúncios

2 Respostas para “Atente ao seu privilégio

  1. Olá, achei demais tudo aqui, aprendendo maravilhas.

    E fiquei com 2 dúvidas.

    1) o privilégio não é percebido por ser imerecido ou por ser algo que sempre esteve na vida da pessoa?

    2) fiquei na dúvida se existiria algo como a privilégio de discurso. Por exemplo, a pessoa assumir que vc tem a mesma opinião que ela sobre assuntos (como não-monogamia, veganismo, etc) ou isso seria também privilegio de passabilidade?

    Abraço!

  2. Muito bom o texto.
    Eu faço um esforço para reconhecer os privilégios a que tive acesso como branca, cis, hétero e pessoa de classe média, para citar só alguns. Sinto que esses privilégios me permitiram fazer coisas que não foram permitidas a outras pessoas e me sinto como se eu tivesse uma “dívida” com a sociedade.
    Mas também fico sem saber como poderia ajudar comunidades/grupos de negros, trans, gays e pessoas com deficiência sem que a minha posição atropelasse a vontade dessas pessoas, entende? É algo delicado, mas acho que com paciência e cultivando a habilidade de ouvir a gente vai se acertando. O importante é ter olhos para ver, e ouvidos para ouvir antes de tudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s